domingo, 22 de agosto de 2010

Earth Overshoot Day

Os habitantes da terra esgotaram hoje, 21 de agosto os recursos naturais que o planeta lhes proporciona anualmente, pelo que a partir desta data passaremos a consumir e a viver dos créditos respeitantes ao próximo ano.

O alerta foi deixado hoje pela organização não-governamental Global Footprint Network (GFN), que anualmente calcula o dia em que o consumo da humanidade esgota os recursos naturais que o planeta é capaz de fornecer cada ano.

O limite em 2010 ou “Dia do Excesso” (“Earth Overshoot Day”, em inglês) será atingido no sábado 21 de agosto, refere a organização que trabalha para promover a sustentabilidade através do uso do conceito de Pegada Ecológica, uma ferramenta de contabilidade dos recursos naturais.

“Isso significa que demoramos menos de nove meses para esgotar o nosso orçamento ecológico para este ano”, salientou o presidente da Global Footprint Network, Mathis Wackernagel.

Em 2009, o limite dos recursos naturais foi alcançado em 25 de setembro, mas, segundo o responsável do GFN, o desempenho deste ano não significa que o consumo em 2010 tenha aumentado.

“Este ano analisamos todos os nossos dados e percebemos que, até agora, tínhamos sobreavaliado a produtividade das florestas e das pastagens: em outras palavras, exageramos a capacidade que a Terra” tem para regenerar e absorver o nosso excesso.

A Global Footprint Network também calculou os serviços e recursos que são fornecidos pela natureza e comparou-os ao consumo do seres humanos e as emissões poluentes que estes emitem.

“Na década de 1980, a nossa Pegada Ecológica era mais ou menos equivalente à dimensão da terra. Atualmente é 50 por cento superior”, alertou.

“Se você gastar o seu orçamento anual em nove meses provavelmente ficaria muito preocupado com a situação: a situação não é menos grave quando falamos das nossas reservas naturais”, sustentou Mathis Wackernagel.

De acordo com o responsável da GFN, as alterações climáticas, a perda de biodiversidade, a desflorestação, a escassez de água e de alimentos “são todos sinais de que não podemos continuar a consumir (este tipo de recursos) à crédito”.

Apesar de “dados preliminares” mostrarem que a crise económica e financeira mundial — que se intensificou em 2008 — teve um “impacto significativo no consumo”, esses dados ainda não são claros, adiantou o responsável.

A título de exemplo, Wackernagel referiu o “consumo de energia que tem vindo a diminuir na Europa e nos EUA, mas não na China”.

Para inverter esta tendência, sustenta, é preciso que “a população mundial comece a declinar”, uma necessidade que já está a ser percebida entre os demógrafos e ambientalistas, também no seio das Nações Unidas.

“As pessoas pensam que isso seria terrível para a humanidade, que (o aumento da população) é de fato uma vantagem económica. Mas é uma escolha”, afirmou Mathis Wackernagel.

1 comentário:

ODEUSQUERI disse...

Para inverter esta tendência, sustenta, é preciso que “a população mundial comece a declinar”,
Isto é típico dos anos 80 salve a amazónia esterilize um brasileiro
quando menos de 5% da pop mundial
consome 25% dos recursos planetários (falo de 300 milhões de americanos)e 1/5 (os chinks) consomem 10%
e 3,5biliões consomem menos de 10%
o problema não é a população
são os consumos
´800 milhões de africanos não têm internet nem automóvel, 850 sem telemóvel, consumos de biomassa baixos comparativamente a um europeu